Login

Sugestões

Faça o login e visualize as sugestões

Usuários on line

Nós temos 265 webespectadores online

Revista

Gestão Universitária

Veja quem já está participando!

As opiniões que aqui são expressadas não representam necessariamente a posição da Rede Mebox.
Os comentários postados são de responsabilidade única e exclusiva de quem os postou.

Membros com Colégio / Faculdade / Universidade : Universidade Salvador (UNIFACS)
Luiz Carlos dos Santos

Luiz Carlos dos Santos

DEFESA PÚBLICA DE TCC E ELABORAÇÃO DE SLIDES

Luiz Carlos dos Santos¹

O RITO DA DEFESA

A defesa do TCC é um momento ímpar na vida acadêmica do graduando. Trata-se de um Ato Solene revestido de rito específico e aberto ao público. Significa dizer que não se pode impedir qualquer cidadão de assistir a defesa, porém, este deve manter-se apenas como ouvinte (calado), principalmente antes da proclamação do resultado, pelo (a) presidente da Banca Examinadora, normalmente o (a) orientador (a) do graduando (a), após leitura da ATA.
Na ocasião o (a) Presidente da Banca Examinadora, esta composta por três membros, preferencialmente doutores e/ou mestres, abre os trabalhos, anunciando os demais integrantes da mesa e, em seguida, convida o (a) graduando (a) para proferir sua apresentação, entre 15 e 20 minutos, podendo exceder até 30 min., dependendo do Regulamento ou Manual de Orientação da Instituição de Educação Superior (IES).
Terminada a apresentação, o Presidente solicita ao graduando (a) para sentar-se em frente à Banca Examinadora, a fim de ouvir o relatório oral ou escrito de cada examinador (a), sendo que o (a) último (a) a pronunciar-se é o (a) orientador (a). Normalmente, o tempo que o (a) examinador (a) dispõe, não deve ultrapassar 10 minutos. Em havendo, examinador (a) externo à IES, este inicia o relatório, seguido do restante da mesa.
Dando prosseguimento ao rito, o Presidente pede ao graduando (a) que responda as inquirições dos (as) integrantes da Banca, individualmente, inclusive as suas; iniciando sobre o pedido de esclarecimentos e/ou ponderações do (a) examinador (a) externo.
______.
¹ ¹ Professor Pleno do Departamento de Ciências Humanas (DCH), Campus I, da Universidade do Estado da Bahia (UNEB); Doutor em Desenvolvimento Regional e Urbano (UNIFACS); Doutor em Ciências Empresarias (UMSA); Doctor of Phifosophy in Public Administration, Ph.D. (CIU); Mestre em Educação (UQAM); Especialista em Administração Tributária (UCSAL); Bacharel em Direito (UFBA); Bacharel em Ciências Contábeis (UFBA); Licenciado em Administração (UNEB); Tecnólogo em Administração Hoteleira (CENTEC); site: ; e-mail: lcsantos@superig.com.br

Ouvidos os esclarecimentos, ponderações ou inquirições dos componentes da Banca Examinadora, o (a) Presidente dos trabalhos convida o (a) graduando (a) e demais presentes ao recinto e, de portas fechadas, os componentes irão decidir sobre o TCC, objeto da avaliação, o qual poderá ter um dos seguintes resultados: aprovado, caso média das notas dos examinadores seja igual ou superior a 7,0 (sete); aprovado com ressalva, caso a média esteja compreendida entre 5,0 (cinco) e 6,9 (seis vírgula nove) – situação em que a Banca deverá, por meio do seu Presidente, solicitar ao graduando (a) que promova as correções e entregue nova versão do TCC, em prazo previamente estabelecido; e, reprovado, caso a nota seja inferior a 5,0 (cinco). (UNEB/FCH-I/COL. CONTÁBEIS, 2014).
Encerrada a apuração do resultado do TCC, o (a) Presidente da Mesa convidará aos ouvintes e graduando (a) para retornarem ao recinto, com vistas à proclamação do resultado, mediante leitura de ATA, seguida de agradecimentos aos membros examinadores, ao graduando (a) e aos parentes, familiares e demais ouvintes.

A ELABORAÇÃO DE SLIDES

As Faculdades, Centros Universitários e Universidades já chegaram ao consenso de que a Defesa de TCC (artigo técnico-científico ou monografia, na graduação), monografia ou artigo técnico-científico na especialização ou MBA, bem assim dissertação de mestrado ou tese de doutorado, pode ser realizada com os recursos midiáticos, no caso específico, os slides.
Todavia, cabe ao graduando ou pós-graduando, com a devida aquiescência do (a) orientador (a), verificar antes da defesa a quantidade e qualidade dos slides, sua sequência, evitando, desse modo, influência negativa na apresentação de um trabalho, construído com bastante sacrifício e primor.
Assim, sugere-se, na graduação, por exemplo, que na defesa de artigo técnico-científico ou monografia, a quantidade de slides situe-se entre 14 a 16, na seguinte ordem:
a)a primeira transparência deve refletir, basicamente, o que contém a folha de rosto do trabalho – logomarca da IES; nome da IES; nome do Departamento ao qual está vinculado o curso; nome do colegiado; autor; título e, subtítulo, se houver; ementa do trabalho; orientador (a); local; e, ano;
b)o segundo slides deve trazer a sinopse da problematização do estudo, em duas partes, a primeira a contextualização do problema, seguido do seu enunciado, de forma interrogativa. Caso fique extenso, elaborar mais uma transparência para esse item;
c)a justificativa do estudo nas acepções científica, social e pessoal é o objeto da terceira e/ou quarta transparência;
d)os objetivos (geral e específicos) devem ficar em um único slide, tendo em vista a relevância do trabalho (lembrar que nos específicos deve obedecer a sequência das operações menos para as mais complexas);
e)a metodologia, caso o estudo tenha abrangido pesquisa de campo deve ser detalhada em dois slides – indicação do método, tipologia quanto aos objetivos da pesquisa, natureza da abordagem, fontes de pesquisa, universo, amostra, critério amostral, instrumentos de coleta de dados e tabulação e tratamento dos dados colhidos;
f)o referencial teórico, fundamentação teórica ou simplesmente capítulos, seções ou partes deve ocupar duas ou três slides, pois o graduando (a) deverá extrair o núcleo de cada capítulo e, com o auxílio de citação fará uma brevíssima explanação do que ancora o seu problema em termos do estado da arte;
g)em havendo pesquisa de campo, apresentar dois slides nucleares dos achados empíricos, extraídos do capítulo – Apresentação, Análise e Interpretação dos Resultados - que corroboram a elucidação do problema e o alcance dos objetivos;
h)a conclusão pode ser sintetizada em um slide; e, se for o caso – lembrar que o nome correto é “Conclusão” ao invés de “Considerações Finais”, conforme preceitua as Normas Brasileiras de Regulação (NBR’s) 6022/2003 e 14724/2011, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ANBT);
i)as recomendações serão arroladas em outra transparência; e,
j)faculta-se a apresentação de um ou dois slides sobre as principais referências, porém, para visualizá-las, sem, contudo, necessidade de lê-las.
Finalmente, muito cuidado com o tamanho das fontes (letras), as cores dos slides e a animação dos mesmos, procurando, sempre os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade.
REFERÊNCIAS
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724 – informação, documentação – trabalhos acadêmicos – apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2011.
______. NBR 6022 - informação, documentação – artigo técnico-científico – apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2003.
BAHIA. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA. Departamento de Ciências Humanas (DCH), Campus I. Colegiado de Bacharelado em Ciências Contábeis. Orientação para Trabalho de Conclusão de Curso de Ciências Contábeis. Salvador: UNEB, 2014.
SANTOS, Luiz Carlos dos. Tópicos sobre educação, metodologia da pesquisa científica [...]. Salvador, 2007.

Copyright © 2013 REDEMEBOX - Todos os direitos reservados

eXTReMe Tracker