Login

Sugestões

Faça o login e visualize as sugestões

Usuários on line

Nós temos 508 webespectadores online

Revista

Gestão Universitária

Veja os grupos de discussão Grupos Opinião

As opiniões que aqui são expressadas não representam necessariamente a posição da Rede Mebox.
Os comentários postados são de responsabilidade única e exclusiva de quem os postou.

Opinião

Opções do grupo

Albuns de Foto

Nenhum álbum criado ainda.
Opinião
Informações do grupo
Categoria:
Nome:
Opinião
Criado:
Qua, 23 de Março de 2011
Proprietário:

Descrição

Grupo livre

Anúncios

Nenhum anúncio adicionado ainda.

Tópicos

Nenhum tópico adicionado ainda.

Compartilhamento de arquivos

Arquivo Tamanho (kb)
Nenhum arquivo enviado ainda
Célia Aparecida dos Santos
Olá, pessoal, quero aqui registrar que não estamos conseguindo visualizar completamente as mensagens postadas no site, ok? Abraços a todos.
Dom, 09 de Outubro de 2011 16:00
 
Taquinho Costa
Postagem da minha filha de 12 anos hoje no twitter:

Acabei de voltar da minha escola,que esta de greve,os alunos foram fazer uma manifestação contra a greve e os professores expulsaram todos de lá.Eu achei isso uma injustiça !!!Temos que ter mais justiça nesse nosso país!!!!!

É garantido a todo cidadão o direito de expressão e o direito de se organizar em reivindicação dos seus direitos, nesse caso o direito de aprender.
Célia Aparecida dos SantosCélia Aparecida dos Santos em Seg, 29 de Agosto de 2011 13:40

Pôxa... valeu a postagem...

Qui, 25 de Agosto de 2011 20:22
 
Neide Romani Covre
Leio, o tempo todo, que faltam engenheiros no Brasil. Fico me perguntando onde estão as reais demandas e por quais especialidades da engenharia. Nesse sentido, muito bom o artigo de Luiz Carlos dos Santos, publicado na Revista Gestão Universitária, edição de 13.11.2011, quando diz que "geólogos e engenheiros de minas estão escassos na Bahia'. A afirmação está assentada em argumentos contextualizados. Parabéns.
Qua, 13 de Julho de 2011 15:48
 
Neide Romani Covre
Poxa, Claiton, bacana! Por trás de uma aparente rotina, de uma vida que acontece como um elo que vai unindo um dia ao outro, estou vendo crescer e se avolumar um submundo formado por seres anti-humanos, cruéis, sem qualquer espiritualidade e respeito para com as crianças, os animais, a familia, eles próprios. Ás vezes, tenho medo até de parar para pensar.
Ter, 05 de Julho de 2011 15:34
 
Neide Romani Covre
Excelente a intervenção do Dr. Maurício Garcia no Seminário sobre os novos instrumentos de avaliação realizado na tarde de ontem, 04/07/2011, em Brasília.
Ter, 05 de Julho de 2011 15:15
 
Claiton Muriel Cardoso
Comentários para Edilma e Neide

O homem se afastou dos valores mais importantes que deveriam permear as relações sociais: a liberdade, a igualdade e a fraternidade.

Não pode existir um relacionamento mais afetuoso e verdadeiro do que a de um cão e uma criança. Esta relação pode trazer à educação de um homem parte daquilo que convencionamos chamar de “berço”. Berço é mais do que educação. É saber compreender as leis da natureza e entender que existirá sempre uma reação, uma reciprocidade a todos os atos que praticamos na vida.

Essa é a lei da natureza e não a do homem.

Nas leis dos homens as consequências ou reações acontecem apenas aos que estão submetidos dentro dessa sociedade podre em que vivemos.

Sinceramente me deu nojo de ver políticos importantes falando que Itamar Franco foi quem apoiou a criação do plano real. Por que não falaram isso quando estava vivo ? Itamar era um homem que pagava a gasolina de seu carro com dinheiro do salário de político. Um homem que lutou sozinho contra a privatização de Furnas e livrou a CEMIG das garras da AES americana, que comprou 33% de seu capital, com dinheiro público emprestado pelo BNDES e assumiu à época o controle da Empresa.
Itamar foi um homem digno, assim como José Alencar. É desses exemplos que o Brasil está precisando – e o mundo também – portanto observando a lei da natureza eu vos imploro: calem a boca seus nojentos !
Ter, 05 de Julho de 2011 09:50
 
Claiton Muriel Cardoso
Amigos,

Ontem passou uma reportagem sobre os erros nos livros distribuídos pelo MEC para as crianças de escolas de ensino básico.
Foram gastos R$14.000.000,00 segundo a reportagem. Fiquei horrorizado. Como é que podem circular livros durante 12 anos sem que tenham tomado nenhuma atitude? E vem uma funcionária do MEC ainda justificar; ôh minha fia me ajuda aí né! Os professores devem ter informado sobre esses erros, mas a estrutura do Governo é tão verticalizada que ninguém escuta professor.
Como um professor pode cobrar dos alunos se o próprio livro do MEC diz que este mesmo professor está errado ? 10 – 3 = 5 tá no livro ! Acreditam no professor ou no livro ? A lógica seria acreditar no livro, que é oficial e firma entendimento. Talvez seja essa a lógica dos governantes: R$14.000.000,00 noves fora igual R$350.000,00 e o resto?
É ENEM, livros errados, avaliações arbitrárias e ilegais, caso Palocci, repressão ditatorial à marcha para descriminalização do uso da maconha e entrevista com o Governador Sérgio Cabral que alega que os bombeiros do Rio de Janeiro são uns vândalos. Eles perderam foi a paciência porque estão passando é fome. Nós vimos esses mesmos “vândalos” salvando e arriscando suas vidas na região serrana do Rio e têm um piso salarial de R$900,00, R$900,00 reais e os governantes ainda ficam indignados ? É um absurdo ganhar R$900,00, é muito dinheiro para quem recebe uniforme, pá enxada, caminhões novos e estrutura física. Sabe por que o salário é baixo ? Porque a última prioridade dos governos é o povo.
Cada vez mais acredito que o nosso comentarista de futebol e goleiro do Galo, Olavo Leite Kafunga Bastos, o popular Kafunga tinha razão: “no Brasil o errado é que é o certo “!
Dom, 05 de Junho de 2011 10:24
 
Claiton Muriel Cardoso
NO CAMINHO COM MAIAKÓVSKI

Assim como a criança
humildemente afaga
a imagem do herói,
assim me aproximo de ti, Maiakóvski.
Não importa o que me possa acontecer
por andar ombro a ombro
com um poeta soviético.
Lendo teus versos,
aprendi a ter coragem.
Tu sabes,
conheces melhor do que eu
a velha história.

Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na Segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.

Nos dias que correm
a ninguém é dado
repousar a cabeça
alheia ao terror.
Os humildes baixam a cerviz;
e nós, que não temos pacto algum
com os senhores do mundo,
por temor nos calamos.
No silêncio de meu quarto
a ousadia me afogueia as faces
e eu fantasio um levante;
mas amanhã,
diante do juiz,
talvez meus lábios
calem a verdade
como um foco de germes
capaz de me destruir.
Olho ao redor
e o que vejo
e acabo por repetir
são mentiras.
Mal sabe a criança dizer mãe
e a propaganda lhe destrói a consciência.
A mim, quase me arrastam
pela gola do paletó
à porta do templo
e me pedem que aguarde
até que a Democracia
se digne a aparecer no balcão.
Mas eu sei,
porque não estou amedrontado
a ponto de cegar, que ela tem uma espada
a lhe espetar as costelas
e o riso que nos mostra
é uma tênue cortina
lançada sobre os arsenais.
Vamos ao campo
e não os vemos ao nosso lado,
no plantio.
Mas ao tempo da colheita
lá estão
e acabam por nos roubar
até o último grão de trigo.
Dizem-nos que de nós emana o poder
mas sempre o temos contra nós.
Dizem-nos que é preciso
defender nossos lares
mas se nos rebelamos contra a opressão
é sobre nós que marcham os soldados.
E por temor eu me calo,
por temor aceito a condição
de falso democrata
e rotulo meus gestos
com a palavra liberdade,
procurando, num sorriso,
esconder minha dor
diante de meus superiores.
Mas dentro de mim,
com a potência de um milhão de vozes,
o coração grita – MENTIRA!

Poema de Eduardo Alves da Costa.
Neusa B.BordignonNeusa B.Bordignon em Seg, 06 de Junho de 2011 01:53

"E por temor eu me calo,
por temor aceito a condição (...)
procurando, num sorriso,
esconder minha dor
diante de meus superiores".

É! assim é que agimos... mesmo sabendo que essa "energia" adversa, reprimida, se solidifica em nosso corpo, muitas vezes tornando-se nódulos assassinos.

Dom, 05 de Junho de 2011 10:22
 
Neusa B.Bordignon
Claiton!

Depois de anos "engolindo seco" estou fazendo a leitura final da livro: Ävaliação da Educação Superior e a Autonomia Universitária: Instrumentos de Avaliação e o Princípio da Legalidade".
Este estudo rendeu algumas noites mal dormidas por revolta. Não recomendo a ninguém uma análise mais aprofundada dos desmandos na educação brasileira; especialmente quando se trata de avaliação e regulação... é de doer!
Sex, 03 de Junho de 2011 23:34
 
Neide Romani Covre
Claiton, fico me perguntando o que é curso bom e o que é curso ruim.

O ponto de partida da parafernália em que se está transformando o sistema educacional brasileiro, no caso do ensino superior, é o Enade. Uma única prova, que o estudante resolve se quiser, desencadeia um efeito dominó que me lembra uma explosão atômica. E parece que está todo mundo ficando cego. Inclusive a mídia.

Devemos, sim, batalhar pela qualidade. Como cidadãos e educadores, devemos isso aos nossos alunos, aos nossos filhos, ao nosso mundo.

No entanto, o que está sendo feito, da forma como está sendo feito...realmente é uma "ditadura e da pior espécie possível". Repugnante para quem ama a educação e a ela se dedica vinte e quatro horas por dia.

Claiton Muriel CardosoClaiton Muriel Cardoso em Ter, 05 de Julho de 2011 13:03

É a lógica surrealista dos burocratas de Brasília. Mas sabe de uma coisa: os culpados somos nós mesmos. Não nos articulamos e ficamos implorando reuniões técnicas com o MEC para discutir a influência do galho seco na vida social do macaco. Ora sinceramente, Vocês viram o Encontro na ABMES sobre os instrumentos de avaliação: coitados dos candidatos que se basearem nestes resultados do INEP.
Os professores se organizam através dos sindicatos e em minha opinião sabe a diferença de um sindicalista para um ditador: o ditador acredita que domina o povo e o sindicalista tem certeza.
Gado por gado, só muda o dono do ferrão. Os funcionários inativos do Governo têm um custo para a sociedade - é só ver a LDO - maior do que o investimento em ensino fundamental para mais de 47 milhões de alunos de escolas públicas brasileiras. Que futuro esse País terá. Ainda estamos nos segurando no preço das comodities, quando este preço baixar estaremos extremamente vulneráveis porque com essa estrutura de gastos públicos não haverá dinheiro no mundo que possa sustentar o nível de investimentos que precisamos, nem com esses juros que praticamos.

Sex, 03 de Junho de 2011 19:17
 

Copyright © 2013 REDEMEBOX - Todos os direitos reservados

eXTReMe Tracker