Login

Sugestões

Faça o login e visualize as sugestões

Usuários on line

Nós temos 126 webespectadores online

Revista

Gestão Universitária

Veja os grupos de discussão Grupos IES Management | Fórum de Discussão

As opiniões que aqui são expressadas não representam necessariamente a posição da Rede Mebox.
Os comentários postados são de responsabilidade única e exclusiva de quem os postou.

IES Management | Fórum de Discussão

Opções do grupo

Albuns de Foto

Nenhum álbum criado ainda.
IES Management | Fórum de Discussão
Informações do grupo
Nome:
IES Management | Fórum de Discussão
Criado:
Qua, 23 de Fevereiro de 2011
Proprietário:

Descrição

IES Management | Fórum de Práticas e Gestão de Instituições de Ensino Superior

O objetivo do Fórum é reunir uma série de palestrantes: Reitores, Dirigentes, Profissionais de
Marketing, Finanças, Recursos Humanos, Tecnologia e Acadêmicos. Além de
entidades de classe, autoridades, fornecedores do mercado, investidores e
financiadores e players do mercado, todos com um único objetivo: discutir
alternativas e oportunidades para uma gestão eficaz e eficiente das IES.

Anúncios

Nenhum anúncio adicionado ainda.

Tópicos

Nenhum tópico adicionado ainda.

Compartilhamento de arquivos

Arquivo Tamanho (kb)
Nenhum arquivo enviado ainda
Rainer Marinho da Costa
Parabéns pelo alto nível da discussão gostaria de contribuir indicando um artigo que escrevi sobre o assunto que pode alimentar a mais ainda o debate:

http://rrconsultoria.wordpress.com/artigos/a-construcao-da-empresa-educacional-a-profissionalizacao-como-caminho-para-construcao-do-pdi-nas-instituicoes-de-ensino-superior-particular-numa-perspectiva-do-planejamento-estrategico/
Qui, 15 de Setembro de 2011 14:59
 
Camila Santos
Boa tarde.

Confiram a entrevista feita com o Prof. Dr. Alexandre Estolano, Reitor da Universidade de Guarulhos que fala sobre o alinhamento entre o Planejamento Estratégico e o PDI - Plano de Desenvolvimento Internacional.

http://www.iesmanagement-ibc.com.br/noticias.html

Abs,
Qui, 28 de Abril de 2011 15:00
 
Carlos Eduardo de Araújo Nogueira
Bom dia.

Esta semana, no clipping, saiu uma matéria falando sobre o nível de inadimplência no ensino superior. A coisa parece estar feia, batendo na casa de 20%.

Inadimplência é mesmo um assunto chato. E evasão é outro. Claro que são duas oportunidades para abordar o assunto aqui e no grupo de IES Management.

Já me debrucei sobre o tema para tentar colaborar com alternativas por onde passo. É possível acabar com a inadimplência? Por que a indadimplência acontece? Por que a evasão acontece? Quais são os vetores que levam a ambos?

Ainda não vi estudos profundos sobre esses dois temas. Até entendo o porquê. Provavelmente porque os dois assuntos são sazonais. Já vi alguns questionamentos do tipo "como pode, se damos um monte de bolsas, aderimos a todos os programas do governo?". Vou contar um caso do qual participei ativamente.

Mais ou menos cinco anos atrás participei de um grupo interno numa das maiores IES privadas da América Latina, que estava buscando formas de atuar sobre os vetores da inadimplência e da evasão. Isso foi antes do IPO, quando a equipe ainda estava motivada para buscar soluções. Na nossa equipe havia uma psicopedagoga muito experiente, inclusive no ensino fundamental, que dizia sempre assim: "o aluno dá sinais, antes de decidir, de que tem algumas coisa errada com ele e com a vida dele". Durante cinco encontros, nos debruçamos e "queimamos o muflo" para levantar todos os vetores e sairmos em busca de verificá-los. Nos dividimos em grupos e por agrupamento de vetores.

Encontramos uma lista bastante extensa de motivos. Eu, particularmente, não estava muito interessado nos motivos. Queria encontrar os "sinais", a que nossa psicopedagoga estava se referindo, para poder atuar sobre eles, antes que o aluno fosse às vias de fato.

Resumindo, o aluno dá sinais claros de que tem coisa errada com ele em sala de aula. E sabe quem é o primeiro a receber a informação? É o nosso querido e amado professor, que não a repassa à coordenação. Os motivos pelos quais ele não faz isso nós também listamos, e todo mundo aqui nesta rede sabe quais são.

O sinal está tão evidente, está na nossa frente todos os dias! O diário de classe é o local onde sabemos como está o aluno. Nossa psicopedagoga estava se referindo ao diário de classe. Nós só compreendemos o que ela queria dizer quando soubemos que ela havia trabalhado mais de dez anos no ensino fundamental. Só para nos relembrar, nos ensinos básico e médio a escola toda está de olho em você. Eles sabem tudo da sua vida e te acompanham, para poder cumprir seu papel como escola. Mas, no ensino superior é diferente. Cada um por si e seja o que Deus quiser. Ou seja, não estamos nem aí para o que está acontecendo com o aluno, a menos, é claro, que ele venha nos procurar.

Para concluir. Criamos um programa de capacitação de docentes e uma nova rotina para eles, para os coordenadores, para a secretaria acadêmica e para a tesouraria... consultoria de graça é como pescar em barril!

Certamente que os procedimentos que vou relatar, alguns de vocês já devem estar adotando. Quando o aluno atinge entre 10% e 15% de faltas (dependendo da quantidade de créditos da disciplina), o professor faz a primeira abordagem, sempre no fim da aula e com "tato de psicólogo". Ele sonda e depois repassa a informação para a coordenação naquele mesmo dia. Os coordenadores receberam um programinha em Access onde cadastravam todas as informações repassadas e as encaminhavam para as psicopedagogas. No Centro de Apoio Psicopedagógico foram criados alguns programas permanentes, e de procura espontânea, com atividades planejadas para o aluno "se soltar". E as psicopedagogas faziam também abordagens diretas, quando a situação estava mais crítica. Para a tesouraria, também criamos uma sub-rotina no programa financeiro, de modo que o coordenador fosse avisado quando do não pagamento da segunda boleta, atrasada mais de 10 dias. Neste caso, o aluno era chamado no CAP e as psicopedagogas trabalhavam para encontrar os motivos e os repassavam para os coordenadores e daí para cima, em busca de soluções.

Na secretaria acadêmica, criamos um "bate-e-volta" com os coordenadores, tipo corrida de obstáculos, para dificultar ao aluno trancar o curso sem que tomássemos conhecimento.

Depois de um trabalho de quase dois semestre, colheu-se o resultado: em 2004.1, a inadimplência estava na casa de 12% e o pacotinho evasão/trancamento/transferência estava em 9%. Em 2004.2, a inadimplência havia caído para 10% e o pacotinho para 8%. Mas, em 2005.1, a inadimplência havia baixado para 7% e o pacotinho para 5%. A instituição também ajudou, criando várias alternativas de pagamento, bolsas de diversos tipos, criou programas de emprego e recoloção profissional, estágio remunerado e uma série de outras ações.

Uma literatura que me ajudou muito a compreender esse universo das IES foi "Nos bastidores da Disney", de Tom Connellan, Ed. Futura. Quem já teve a oportunidade de ler vai se lembrar dos "multiplos postos de escuta". Quem não leu, fica a dica.
Qui, 14 de Abril de 2011 05:17
 
Carlos Eduardo de Araújo Nogueira
Ainda não descobrimos um modelo de gestão ideal para nossas IES.

Acho bastantes interessante a troca de experiências entre as empresas e as IES, e isso tem acontecido com a colaboração de consultorias empresariais, cada vez mais acessadas.

Concordo com as três visões (da Erika, do Marcus e do Wille) e só acrescentaria um aspecto: "casa de ferreiro, espeto de pau". Temos docentes muito competentes no mundo empresarial, mas que colaboram pouco com suas instituições.

Por que temos que buscar lá fora, se podemos construir aqui dentro? Por que pagamos caro por consultoria, quando nossos colaboradores poderiam se engajar nisso? É claro para mim que as respostas a essas perguntas vão passar por "política" e "cultura organizacional". Santo de casa não faz milagres!
Sex, 08 de Abril de 2011 15:27
 
Erika Marques
Já atuei na Direção de uma IES participante de uma rede fortíssima no mercado, uma local com fins lucrativos e também em uma confessional e na realidade acho que o interessante mesmo seria uma boa composição de várias características presentes de maneira mais consistente em cada modelo de gestão. Não podemos negar que em toda empresa com fins lucrativos, obviamente como o próprio nome já explicita, deve-se ter lucro. Porém o fato em si ao contrário do que muitos pensam, não é o verdadeiro vilão e sim, o pareceiro para um ensino de qualidade quando bem planejado e articulado. Em meio às grandes concorrências de mercado, é necessário e salutar tratar as IES como empresas e cuidar permanentemente de sua saúde financeira. Atender bem o "cliente", dar informações, prestar serviço de qualidade e acompanhar e prestar sempre assistência durante a eterna garantia do seu produto (egressos) deveria ser o início para o bom planejamento e a mola mestra de uma grande mudança no marasmo e na burocracia gratuita de muitas IES que ainda teimam em sobreviver.
Gestão profissional e dinheiro no bolso não fazem mal a niguém...
Carlos Eduardo de Araújo NogueiraCarlos Eduardo de Araújo Nogueira em Sex, 08 de Abril de 2011 18:19

Bastante ponderada a sua posição.

Ter, 29 de Março de 2011 17:18
 
Abigail França Ribeiro
Não deixem de ler o Clipping Educacional de hoje. Está muito, muito, bom!
Ter, 29 de Março de 2011 10:44
 
Marcus Vinicius Gava
Caros,
Na minha concepção, não há qualquer dúvida. As IES são empresas prestadoras de serviço de educação superior. E assim como empresa, deve buscar a melhor forma de prestar este serviço com a melhor qualidade possível. Há muitas IES que ainda não acordaram para esta realidade. Agem da mesma maneira de 20 anos atrás, quando havia poucas IES e muito mais alunos do que vagas. Um tempo que não havia avaliações e a qualidade de uma escola estava baseada em seu nome e sua tradição. Hoje além da concorrência, as IES vivem em um tempo que gosto de chamar de “ensino baseado em resultados”. Todos nós estamos perseguindo melhor resultados, sejam eles resultados acadêmicos (IGC, CPC, aumento da empregabilidade de nossos egressos) e resultados econômicos (melhor relação entre receita e despesa; aumento do número de alunos; melhor colocação no mercado e etc).
É lógico que nestes novos tempos as IES devem ser administradas de forma profissional, porém as teorias da administração atual não podem ser aplicadas completamente na IES. As IES são empresas com características completamente diferentes de todas as outras empresas e ramos de atividade econômica. Há que se adaptar as teorias e as metodologias de administração a este novo ramo de atividade. Tenho visto vários autores adaptando formas de gestão à realidade da escola. Penso que este é o caminho para aprimorar as boas práticas de gestão universitárias e conseguir atingir os bons resultados. Vejo que teremos que criar juntos, através do estudo das teorias administrativas, e através dos acertos e erros do nosso dia a dia de gestão, novas formas de gerir as IES particular.
Carlos Eduardo de Araújo NogueiraCarlos Eduardo de Araújo Nogueira em Sex, 08 de Abril de 2011 18:17

Gostei do seu ponto de vista.

Qua, 23 de Março de 2011 10:55
 
Wille Muriel
Prezados, penso que a questão não é apenas a de "ser uma empresa" ou corporação. Mas "que tipo de empresa ser?" Não vejo as chamadas corporações de ensino realizarem um bom trabalho no ensino superior brasileiro. Elas também precisam melhorar muito enquanto empresas da área educacional.
Por favor, não me entendam mal. Não sou do tipo pedagogo ideológico anti capitalista, marxista, comunista. Aliás, não tenho nada a ver com essa turma. Nem contra, nem a favor. Concordo perfeitamente que uma IES deve ser bem administrada, financeiramente, nos processos, nos serviços aos alunos e professores. Penso que deve ter uma boa estratégia, um bom planejamento e controlar a qualidade da produção acadêmica.
Mas, por outro lado, não vejo isso por aí. O que vejo são propostas mecanicistas, ultrapassadas, conteudistas, que desvalorizam a atuação do professor e que adoram apostilhas, justamente porque assim tudo fica mais rentável (lucro / investimento). Não tenham dúvidas. Não se iludam. O primeiro compromisso de quem faz operação de IPO é com o acionista e, até em mercados bem mais desenvolvidos do que o mercado educacional brasileiro, os acionistas tem sido iludidos por toda sorte de matrifuzias na apresentação de dados e informações. Andam fazendo de tudo...
Então precisamos criar uma organização que realmente saiba trabalhar com o que é essencial na produção acadêmica e que seja sustentável sob os aspectos econômicos, sociais e ambientais. Vou com uma classificação do já saudoso professor Antônio Carlos Gomes da Costa, que adaptei para contribuir com o que vocês disseram com muita competência:
1. Instituição Missionária: Aquela que opera por uma missão e que se preocupa pouco com a rentabilidade.
2. Instituição Demissionária: Aquela que opera pela rentabilidade, mas que não apresenta um propósito claro para existir. Vai ser demitida pelo mercado...
3. Instituição Profissional: É exatamente aquela que todos acreditam ser a melhor, pois opera com uma missão clara e busca a rentabilidade como sustentáculo da ecologia organizacional e, portanto, da sobrevivência do sistema.
Grande abraço pessoal!
Carlos Eduardo de Araújo NogueiraCarlos Eduardo de Araújo Nogueira em Sex, 08 de Abril de 2011 18:15

Bem legal essa classificação, Wille! Vou adotar. Qual é a fonte?

Ter, 22 de Março de 2011 08:23
 
Carlos Eduardo de Araújo Nogueira
Boa noite a todos.
Eu concordo com o Evandro quando ele fala que "as IES precisam agir como se fossem uma corporação". Penso que isso é o ideal. Mas, quando colocamos o pé na realidade, a gente se depara com três situações bem distintas:
1- temos empresas de educação que se comportam como corporações. Aliás, elas são as corporações. Para estas, tocar nesse assunto é chover no molhado. A participação delas no bolo da educação superior está aumentando;
2- temos as instituições sem fins lucrativos, que em sua grande maioria são associações, e defendem outros interesses além da educação. Para estas, elas até compreendem a questão da produção, mas a mentalidade ainda não é empresarial;
3- e temos as instituições filantrópicas, que se caracterizam como fundacionais, confessionais e comunitárias. Para esssas, pensar como empresa é quase impossível. E temos um número considerável de IES com essas características.
Penso que temos que adotar estratégias evolutivas para viabilizar que todas se beneficiem de uma postura empresarial, pensando principalmente na questão da manutenção de suas atividades. Mas temos que ser conscientes de que as mudanças, principalmente no terceiro grupo, são lentas, apesar da velocidade do mercado. Minha experiência com esse grupo mostra que já avançamos bastante. A osmose funciona!
Seg, 21 de Março de 2011 23:20
 
Evandro Luiz Echeverria
Prezados,
O que a grande maioria dos gestores ainda não percebeu é que o discurso sobre excelência acadêmica mudou para um discurso sobre competição, clientes, rendas, despesas e participação no mercado.
As IESs precisam agir como se fossem uma corporação - uso esse termo por que alguns não gostam de 'empresa'.
Como corporação, para alcançar sucesso em um ambiente orientado para o mercado, elas precisam maximizar sua produção, o que exige, para realizar isso que sejam bem geridas.
Entra em cena outro problema, o ‘como’ orientar a IES para o mercado e gerir sua produção(?).
Salvo melhor juízo, como administrador e estudioso da gestão organizacional, percebo que na realidade os gestores estão perdidos. Pode ser que eles até sejam capazes de descrever o que está acontecendo, mas não estou certo de que compreendam o que está acontecendo.
Qui, 17 de Março de 2011 16:00
 

Copyright © 2013 REDEMEBOX - Todos os direitos reservados

eXTReMe Tracker